Queda de cabelo: conheça causas e doenças

A queda de cabelo afeta milhares de pessoas no mundo. O cuidado com os cabelos, inclusive, vai além de questões estéticas. Manter a saúde dos fios é fundamental para que eles cresçam fortes e nutridos.

A questão, no entanto, é que nem sempre a saúde capilar depende exclusivamente de cuidados externos. Shampoos e loções de qualidade não são suficientes para manter os cabelos com vida.

Isso porque problemas hormonais, hábitos alimentares, questões emocionais e fatores genéticos podem ser determinantes para o enfraquecimentos e queda das madeixas. 

Além disso, existem doenças que afetam diretamente o couro cabeludo. Para tratá-las é preciso conhecer a fundo as causas do problema. Assim, um especialista pode avaliar a situação e estabelecer o protocolo correto para reversão do quadro.

Por isso, no artigo de hoje vamos abordar o que é preciso fazer para garantir a saúde dos cabelos, apresentar as doenças mais comuns que são responsáveis pelo enfraquecimento dos fios e os métodos e tratamentos conhecidos contra esse mal. Confira!

Saiba como manter a saúde dos fios e evitar a queda de cabelo

Em primeiro lugar é preciso deixar claro que queda de cabelos é diferente da calvície já instalada. São muitos os fatores que podem levar a uma queda excessiva dos fios, porém, temporária. 

As razões da calvície, no entanto, não são muitas. Geralmente, o que leva à calvície em graus elevados tem a ver com fatores genéticos ou grandes traumas na região. 

Mas voltando ao tópico da discussão, pequenos hábitos contribuem diretamente na saúde dos fios e do corpo como um todo. Como por exemplo:

  • Consumir alimentos saudáveis
  • Praticar atividade física
  • Cuidar da saúde mental e emocional
  • Manter a higiene correta dos cabelos
  • Não usar produtos com procedência duvidosa 
  • Não dormir com os cabelos ainda úmidos
  • Evitar o excesso de produtos químicos, bem como pranchas e secadores

Ao adotar esses hábitos, certamente seus cabelos crescerão mais fortes e saudáveis, ficando livre das quedas.

Doenças e causas que podem estar ligadas à queda de cabelo

Muitas vezes, a queda de cabelo pode estar ligada a doenças. Logo, dificilmente o problema será revertido com cuidados paliativos. De qualquer maneira, independente da causa, eventual queda excessiva de cabelo precisa ser avaliada por um especialista.

Afinal, o olhar técnico é imprescindível para um diagnóstico correto e tratamento assertivo seja qual for a doença. 

As doenças e causas mais comuns que têm ligação direta com o enfraquecimento e queda dos fios são:

  • Problemas na tireoide
  • Doenças autoimunes 
  • Alopecias
  • Tratamentos contra o câncer
  • Depressão
  • Deficiência de proteínas 

Tratamentos para reverter a queda

Agora que você já sabe quais doenças e causas podem levar à queda e os cuidados necessários para evitar esse mal, chegou a hora de falarmos sobre possíveis tratamentos para este fim. 

Bom, lembrando novamente que aqui falamos de queda temporária dos fios, não da calvície já instalada. Isso porque, para a calvície, dificilmente medicamentos e outros cuidados serão suficientes para reverter o quadro.

Nesses casos, somente o transplante capilar pode solucionar definitivamente o problema. Agora, como falamos de queda, o cenário é mais animador.

Ao consultar um dermatologista, ele pedirá alguns exames para saber exatamente a razão da queda. Somente a partir do diagnóstico será possível indicar o melhor tratamento. Afinal, cada paciente é único e possui necessidades específicas.

No geral, e considerando as doenças e causas acima citadas, os tratamentos mais comuns são feitos com uso de medicamentos tópicos, vitaminas, e a indicação de hábitos mais saudáveis. 

Ao iniciar um protocolo de tratamento, é aguardado um prazo de três a seis meses para que faça efeito e interrompa, ainda que de forma gradual, a queda excessiva.

É muito importante, no entanto, que se os sintomas persistirem, o médico seja novamente consultado para estabelecer outras diretrizes para o controle do problema.

Gostou do conteúdo e quer saber mais sobre o assunto? Então, fique ligado na nossa página no Facebook e receba informações periódicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *